Primaveras que parecem outonos

Ontem fiz anos. Tinha já escolhido 3 dias de férias e fui descansar para a aldeia. Tinha tudo para correr bem, estava calor, havia piscina, tinha lá a mãe para ajudar a tomar conta do herdeiro, e sempre eram 3 dias longe do trabalho.
Na véspera de ir, a bomba… o canídeo teve um AVC e a coisa não parecia que ia correr bem. Felizmente quando a fui buscar na segunda já estava melhor, já andava, já ladrava, já corria até!
Depois, o costume do verão na serra: fogos até dizer chega, um até esteve ativo 2 horas lá na aldeia mas facilmente resolvido.
Siga então relaxar?
Não. O herdeiro esteve hiperativo o tempo todo. Abrir e fechar o portão da entrada durante 2 horas foram um dos seus passatempos favoritos. Chorar foi outro deles. Cair? Perdi-lhe a conta! Não dormir, check!
E o calor maravilha que dava para ir à piscina? Desapareceu, transformou-se primeiro num fresquinho e no último dia num frio com toma lá chuva…
Os anos? Lá passaram. Com cada vez menos chamadas. Desta vez nem os meus primos ligaram. As pessoas não sabem que fazes anos se o facebook não as avisar. E já de propósito, o meu facebook não as avisa…

Comida de cebolada

Ontem de manhã, às 08:30, a caminho do trabalho, enfaixei-me no carro da frente. A coisa não foi muito grave, basicamente chapa (plástico no caso do meu) e umas dores ligeiras no lado esquerdo do corpo, provocadas pelo cinto.

Como bati por trás, assumi a culpa, assinei a declaração amigável e siga. Acho que também estava nervosa (e dorida) e queria despachar aquilo tudo. 

Mas hoje, ao fazer o mesmo caminho e ao passar no mesmo sítio, percebi que a culpa não foi minha. No local onde bati estava ontem parada uma carrinha das obras que me tapou a visibilidade e não me permitiu ver que havia ali uma passadeira, razão pela qual o carro da frente parou (que eu também não vi por causa da carrinha) e eu lá me enfaixei…

Claro que isto não vai mudar nada. Claro que a culpa continua a ser minha. Mas senti-me um bocadinho melhor ao perceber hoje o que se passou.

E um acidente, por mais ligeiro que seja, nunca é fácil de digerir…