Pffff…

Há 11 anos, pouco depois do meu pai morrer (e muito pouco antes de saber que estava grávida) decidi deixar os 2 empregos que tinha na altura (call center e restaurante) para recomeçar a estudar.
Parecia-me bem tirar um curso superior, mais que não fosse porque sei que Ele gostaria.

Se na altura me dissessem que, 11 anos depois, iria estar a ganhar um terço do que ganhava na altura a esfregar sanitas e a fazer camas eu ia rir-me muito. Muito mesmo…

Anúncios

Vamos lá

Brevemente terei de fazer nova redução aos ansiolíticos porque digo-vos que só me apetece dormir em TODO o lado…
Quanto ao trabalho, tem corrido bem. Há alturas em que há muito (mesmo muito) para fazer em muito pouco tempo e depois há horas e horas de tempo morto (como agora, em que até posso vir ao blog) em que só me apetece atirar-me para o sofá espectacular que aqui está ao lado e roncar.
Quanto a más notícias, uma das empregadas que cá estava foi despedida, por isso agora somos só duas a trabalhar.
Ora, se isto não fecha, se há 2 turnos por dia e 2 empregadas, façam lá as contas…
Yep. Até arranjarem mais alguém, já disse adeus a uma das 2 folgas (a de terça) e aos domingos faço turno duplo, ou seja, das 08 da manhã à meia-noite.
Agora é esperar que as entrevistas (ouvi dizer que eram para a semana) aos novos candidatos corram bem e que arranjem urgentemente alguém para vir para aqui ajudar senão não sei mesmo se me aguento nas canetas…

Check

– Primeiro dia de trabalho ✓
– Anos do maridão ✓
– Acordar hoje como se tivesse levado uma tareia ✓
– Reduzir um bocado aos ansiolíticos senão não consigo nem trabalhar ✓
– Pensamentos positivos ao fim de muito tempo ✓
– Preparação para o segundo turno (hoje é até à meia noite) ✓
– O que falta: saber se não fiz merda da grossa no 1º dia. Honestamente não estava à espera que fosse tão difícil e a certa altura andei às aranhas…

Recomeçar

Drunfada como ainda ando, amanhã começa uma nova vida.
Estarei a trabalhar num pequeno hostel do Porto, e o primeiro turno é logo das 08 às 16.
O que quer dizer que, no dia de anos do maridão, me vou levantar por volta das 06.30 da manhã para ir trabalhar.
Mas a partir das 16 ninguém me agarra e vai ser só love e a prenda mais inesperada do mundo que não posso contar porque corro o risco de ele ler 😛
Verdadeiramente importante:
amanhã começa uma nova vida. Uma de trabalho, uma de rotinas sérias. Uma que me fará melhor à cabeça que todos os drunfs que ando a tomar…

Rotina

Dormir, em média, 10 a 13 horas por noite.
Acordar, tomar o pequeno almoço e 2 drunfes.
Dormitar até à hora de almoço e mais um drunfe.
Dormitar até meio da tarde, comer mais.
Adormecer no sofá, acordar à hora de jantar, drunfar outra vez e dormitar no sofá até ganhar coragem para ir para a cama.
Tem sido assim e vai manter-se até me darem ordens para diminuir as doses.
Vamos, obviamente, ter de esquecer a hora de caminhada diaria que estava a fazer. Não ha energias sequer para ir lá abaixo buscar o correio…

11 anos de Saudade

Festejam-se com drogas. Muitas drogas.
Ansiolíticos, antidepressivos, sono constante, estado de zombie permanente.
As coisas parece que estão cada vez mais turbilhantes cá por dentro e como dizia o outro, quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga.
Neste momento só penso em melhorar e parar com o constante estado de ansiedade em que vivo.
Os ataques de pânico que dantes duravam 10 minutos e apareciam de meses a meses agora duram horas e aparecem de 15 em 15 dias.
Não consigo mais, não aguento mais, nem me sinto verdadeiramente a viver.
As drogas não são más. Aliás, sinto-me mais vazia por dentro, o que é sempre bom.
Quem não sente, não sofre.