Eleições 2009

De manhã, a cria começa por perguntar
“Se fosses votar, em quem votavas?”
Ao que respondi
“No Sócrates”
“E a outra?”
“Oh, querida, essa fez muitas asneiras, não merece ir para o governo” (enquanto limpava o chão da cozinha que o canídeo tinha feito o favor de cagar todo)
“Mas tipo quê? A Manuela Ferreira Leite fez cocó na cozinha como a Mimi?”
“Não, amor, ela faz outro tipo de asneiras. Como aumentar os impostos e obrigar-nos a pagar mais dinheiro ao estado”
“E o que são impostos?”
“É dinheiro que temos de dar para os que estão no governo. Sabes o que é o governo?”
“É o primeiro-ministo, é o Sócrates” Pausa
“Mas a minha primeira-ministra és tu, mamã”

Em domingo de eleições a tradição mantém-se: todos votam menos eu (e a cria, por razões óbvias) e vamos almoçar arroz de cabidela ao Triunfante.
No carro, enquanto fazemos as voltas pelas escolas para que o resto da família vote, eu e a minha irmã vamos cantando êxitos dos 80s que passam na Antena3 e a cria, do nada, acrescenta
“Eu se pudesse votar também votava no Sócrates. 500 vezes. O Sócrates é o maior.”
Hoje ri-me mais com ela do que com os Gato Fedorento ou os Contemporâneos. Esta miúda vai longe. Vamos é esperar por logo pelos resultados das eleições que, mais uma vez, não contam com o meu voto.

Sabes o que me irrita?

De cada vez que ligas fazes uma enorme festa. Dizes que eu nunca ligo e que não sei quê mais… E terminas sempre a chamada com um pedido. Não és capaz de ligar se não for para pedir um favor. E para isso não vale a pena ligar-te realmente, porque não me lembro de nenhum favor que tenha de te pedir…

Isto de estar de quarentena tem estas coisas…

Estou há 42 horas enfiada na cama. O que se faz quando o sono já não tem horas próprias?
Dorme-se das 6 da tarde às 10 da noite e depois fica-se até às 5 da manhã a ler blogs de anónimos na net. Num desses anónimos encontrei um desafio tão engraçado que não resisti a ele. 🙂

1. Ir à Wikipedia. Carregar no Random (ou clicar directamente aqui
O primeiro artigo que vos aparecer é o nome da vossa banda

2. Ir a Quotations Page e seleccionar uma citação aleatória (ou clicar directamente aqui
As últimas 4 ou 5 palavas da última citação dessa página é o título do teu primeiro álbum.

3. Ir ao Flickr e clicar no “explore the last seven days” (ou clica directamente aqui
A terceira imagem, seja ela qual for!! é a capa do vosso álbum! Não vale fazer batota!

4. Usar Photoshop ou até o paint e meter a imagem para todos vermos o resultado final!!!

Eu sei, é estúpido… Até porque eu não conto ter uma banda, nem mesmo dar-lhe um nome daqueles ou roubar imagens da internet para lhe fazer a capa… Mas achei piada à brincadeira. 😛

mdisco

A quarentena…

Esta não me larga desde que estou de cama. Mas não sai mesmo daqui!
Ainda perguntam porque o cão é o melhor amigo do homem?

DSC00151

Marshmallow, anyone?

A-m-e-i!!! 😀

The voice within

Eu não sou fã da Aguillera.
Acho que a moça tem uma voz verdadeiramente extraordinária mas que só será conhecida por poucos uma vez que ela a estraga com o tipo de música que canta. Acho que os gritos exagerados não lhe ficam bem e que todo aquele pop à volta só a rebaixa.
Mas quando não sei bem o que dizer recorro sempre à música. E quando fiquei com o coração apertadinho por te ler assim, procurei algo que me ajudasse a exprimir-me.
Que me ajudasse a dizer “Tudo vai ficar bem e eu vou sempre estar aqui para ti”. Gosto-te muito, sweety.

Young girl don’t cry I’ll be right here
When your world starts to fall, ohh
Young girl it’s alright
Your tears will dry
You’ll soon be free to fly, ohh

When you’re safe inside your room, you tend to dream
Of a place where nothing’s harder than it seems
No one ever wants or bothers to explain
Of the heartache life can bring and what it means

When there’s no one else
Look inside yourself
Like your oldest friend just
Trust the voice within
Then you’ll find the strength
That will guide your way
You’ll learn to begin to
Trust the voice within

Young girl don’t hide
You’ll never change if you just run away, ohh
Young girl just hold tight
Soon you’re gonna see your brighter day, ohh

Now in a world where innocence is quickly claimed
It’s so hard to stand your ground when you’re so afraid
No one reaches out a hand for you to hold
When you’re lost outside, look inside to your soul

When there’s no one else
Look inside yourself
Like your oldest friend just
Trust the voice within
Then you’ll find the strength
That will guide your way
If you will learn to begin to
Trust the voice within

Life is a journey
It can take you anywhere you choose to go
As long as you’re learning
You’ll find all you’ll ever need to know

(Be strong)
Break it
(Hold on)
You’ll make it
(Be strong)
Just don’t forsake it because
(No one can tell you what you can’t do)
No one can stop you
You know that I’m talking to you

When there’s no one else
Look inside yourself
And like your oldest friend just
Trust the voice within
Then you’ll find the strength
That will guide your way
You’ll learn to begin to
Trust the voice within, oh yeah

Young girl don’t cry
I’ll be right here
When your world starts to fall

James Joyce era uma pita?

Estou a ler “Ulisses”, de James Joyce.
Tinha abandonado o livro há uns anos por não conseguir compreender aquele tipo de escrita (desculpem-me os mais intelectuais, mas é mesmo complicado para a minha cabecinha básica) mas agora decidi ir até ao fim.
Hoje, na hora de almoço, deparei-me com a página 562 onde ele escreve, AIQ:

“Por favor, não haverá alguma pexoa xentil que impexa catáxtrofe com axitação de guardanapo de primeira claxe?”

Ou seja, cá para mim esse pitês é afinal uma língua muito culta e a gente é que não sabia de nada… Ou não xabia, como quixerem…