Era uma ajudinha, faxabôre…

Ora, cá vou eu cravar 5 euros para a droga…

Dia 30 de Setembro quero ir a Londres ver o meu ídolo: Stevie Wonder. É um sonho de infância e está na altura de o realizar.
Não consigo esperar mais, sempre sem a certeza de quando ele volta. A última vez que o moço esteve na Europa foi há cerca de 15 anos e não sei se ele (e eu) dura(mos) mais 15.

Para isso tenho já os meus bilhetes da “Mandona” à venda (interessados avisem!!!) e preciso de mais uma ajudinha…

Estes dois pins (para a menina e para o menino) estão à venda pelo preço que quiserem dar. Todo o dinheiro desses pins será para suportar viagem + bilhete + um ou outro fino por London que lá a vida está pela hora da morte.

Interessados por favor entrem em contacto: mariana@pin-a-cloth.com.

Não se pode chamar de solidariedade, essa é para quem precisa. Mas é para a concretização de um sonho!

Anúncios

Vamos lá falar de coisas sérias…

Tenho 1001 merdas para escrever aqui mas nunca tenho tempo/vontade/disposição/etc.

Sondagem: e se eu pedisse 5 euros a cada um de vocês e dissesse “é para a droga”, vocês davam-me?

Já votaste?

Aqui?

Will it blend?

Fim de semana

Sexta feira foi dia de sarau de ballet.
A cria, como podem imaginar, esteve perfeita! Linda, mesmo mesmo à princesinha, dançou e encantou perante as (talvez) duas centenas de pessoas que se encontravam no pavilhão. Até o presidente lá do EVS foi falar com ela, mas a vergonha de falar ao microfone perante aquela gente toda ganhou.
De qualquer maneira, ficou tudo registado na minha fantástica câmara de filmar que, já agora, está quase quase a fazer um ano e ainda não consegui passar nenhum dos filmes para o computador. Fantástico, não? Se alguém quiser dar uma opinião de pro, estejam à vontade!

Sábado foi dia de Festival do Panda.

Como aí ela só tinha da dançar perante as câmaras, lá o fez cheia de style, o que quer dizer que “vozes” são bem capazes de a ver num ou outro intervalo do Panda (sim, eu sei que vocês são viciados naquilo!!!).
Bem, gostei muito de ver o Avô Cantigas. Apesar de o moço ter um ar um bocado pedófilo, e essa mania de nos chamar a todos netos dele me incomodar um bocadinho, o gajo até esteve bem. Decidiu abrir com uma música que, segundo ele, tinha 26 anos: “Provavelmente os vossos papás e mamãs conhecem esta música melhor do que vocês”, dizia ele.
Mas a cria está habituada aos clássicos cá em casa e cantou a plenos pulmões “Eu sou o avô cantigas, todas as crianças são minhas amigas…”.

O Noddy foi uma seca e as Doce Mania provaram uma vez mais que não têm jeito nenhum para aquilo e que só estão ali porque foram rejeitadas para um casting dos morangos.

Mas a experiência em si não foi má.
Quer dizer, não é todos os dias que temos o privilégio de passar horas com o cu sentado em pleno relvado do Estádio do Dragão.

Ah, e já agora, um agradecimento ao senhor da Fula que me poupou 44 euros. Não lhe dei um beijo na altura porque achava que o convite era falso!

Christian, o leão

Tão bonito… Arrepiei-me todinha!

SBSR – Parte II

O segundo dia do SBSR veio carregadinho de emoções.
Jamiroquai é, sem dúvidas, uma das minhas bandas favoritas. Por isso aguardava pacientemente que os moços subissem ao palco para poder dançar à vontade.

Quando os Brand New Heavies subiram ao palco eu ainda estava no Centro a beber uns finos enquanto esperava que o Nuno me fosse buscar. Por isso ouvi o concerto via Antena3. A opinião que mais tarde me deram foi que o som estava péssimo e por isso não deu para perceber metade.

Quando cheguei, os Clã cantavam para uns poucos que lá andavam. Farta dos Clã estou eu até à ponta dos cabelos, por isso nem me dei ao trabalho.
Uma volta aqui, outra ali, cerveja, volta, cerveja, olha este, olha aquele, cerveja, etc. Mais do mesmo.

Entretanto, Morcheeba. O que aconteceu à preta fantástica que era a vocalista? Bolas, isto assim não tem piada nenhuma.
No meio da multidão, olha o PP. Que booooom! =) Gosto tanto dele! Quando ele atirou um “isto mais parece Corrs” (bolas que nem sei escrever o nome da banda) concordamos e fomos até à tenda da EDP, onde o moço punha música nos intervalos dos concertos.

Ah, e que boa música… 😀 Stevie Wonder, Supremes, Michael Jackson, tudo aquilo que o meu DJ preferido gosta de pôr e eu gosto de ouvir.
A partir daí a noite foi mudando.

Jamiroquai começou finalmente. O Jay Kay foi uma desilusão. O moço está gordo, gordo, gordo. Vê lá, até parecia eu ali no meio do palco. As músicas sempre muito boas, as pretas fantásticas, mas… não sei… muito insosso.

O Jorge Palma armou-se aos cucos, para variar. Devia ter actuado às 9, mas lá se embebedou uma vez mais ou o caraças e decidiu tocar no fim de Jamiro.
Por esta altura, andava eu a passear pela Tenda Vip.
Quem esteve no SBSR viu o estado das casas de banho. Pois as da Tenda Vip eram um sonho!!! Meu deus! Uma experiência de sensações, como disse a amiga fantástica do PP que eu não me lembro do nome mas que adorei conhecer.
Depois foi comer arroz de passas com carne assada (e muito molho, ponha aí molho que é disso que eu gosto mesmo!), beber à vontade, e roubar garrafas de cerveja para os pobres que estavam lá fora.

Aí decidi aproveitar-me do facto de toda a gente me dizer que pareço grávida ultimamente. Toca a meter as garrafas na barriga e sai de lá!

Pouco depois, este grupinho fixe foi embora. Beber um copo, diziam eles, anda também, insistiam.
Mas eu estava de rastos. Venha o táxi (confusão com uns cromos que me tentaram roubar o táxi mas que acabamos por partilhar) e casa.

Só hoje começo a recuperar do cansaço provocado por todas as emoções de sábado à noite. Porque domingo foi dia de levar 3 diabretes ao cinema, ver o Panda do Kung Fu.

Espero que o próximo concerto corra melhor. Mas gostei muito de te rever, cariño.