25 de Abril by Eva

“Mamã, hoje o professor contou-me uma história verdadeira.
Há muito tempo atrás, todas as pessoas do planeta viviam muito tristes porque não podiam ouvir música, não podiam ler livros, não podiam ver filmes, não podiam falar alto, não podiam beber coca-cola…
As escolas eram só de meninas ou só de meninos porque havia um senhor que era rei e que era muito mau.”

“Rei, Eva?”

“Sim, que nessa altura ainda não havia presidentes. Era um general muito mau que roubou o tesouro das pessoas. O tesouro era a liberdade e ele roubou-o e escondeu-o e não deu a ninguém.
Se as pessoas falavam muito alto, ele prendia-as ou matava-as. As pessoas tinham medo de ir ao café ou se iam não falavam que era para não serem mortos ou presos. Mas um dia, os soldados do general mau disseram – Não, não vamos fazer mais isto. Vamos dar o tesouro às pessoas. – E começaram todos a falar baixinho para o mau não ouvir.

E depois juntaram-se todos e deram o tesouro às pessoas. E o pai do rei mau não teve coragem para lhe roubar o tesouro, teve de ser ele. E então os soldados derrotaram-no mas não lhe deram tiros. Tinham flores. Gra… grafos!”

“Cravos?”

“Isso. Cravos. E puseram os cravos nas pistolas e no 25 de Abril vamos ver cravos em todas as janelas. E isto aconteceu mesmo. E agora as pessoas já podem ouvir música e já podem falar alto e beber coca-cola.”

Quem fala assim não é gago e esta cria é o meu orgulho.

Money, money, money, parte 3

O homem é fantástico, apetece-me por aqui mais um vídeo… 😀

Money, money, money parte 2

Siga a festa! (Merda de wordpress…)

Money, money, money

Tudo o que tem a ver com música deveria ser grátis. Digo eu, que sou parola e só vim cá ver a bola.
Ora vejamos, o grande Bobby McFerrin vem à casa da música em Maio. Os menos entendidos nestas coisas conhecem-no de certeza de um tema tão popular nos 80’s, Don’t worry, be happy.

Mas o Bobby é muito mais do que isso. O homem é do outro mundo…
Em 1989, a Pixar cria a sua primeira curta-metragem:

Música? Bobby McFerrin, obviamente.
“Um destes dias” (tenho ali o DVD mas não me apetece ir procurá-lo para ver a data) o Bobby foi convidado para actuar no grandioso concerto de comemoração de qualquer coisa de Bach (sim, a preguiça é ENORME, não sei se era o aniversário da morte ou do nascimento) em Leipzig, intitulado Swinging Bach.

DVD altamente aconselhável (sim querido, um destes dias vais levar com isto em casa) e do qual vou tentar por aqui uma amostra se o wordpress me deixar por 2 vídeos no mesmo post (tantas alterações que eles andam a fazer e só lixam isto!).
Se não deixar, fica no próximo post, têm mesmo é de ver e principalmente com as colunas ligadas.

E quase terminava o post sem explicar porque é que isto da música deveria ser grátis. Sim, o Bobby é MÁGICO, mas 70 euros para o ir ver???

P.S. – Já tentei, não dá para por aqui os 2 vídeos. Segue mais um post então.

Ah e tal…

Mai nada!!!

Amor I Love You

Corria o ano de 2000.
A minha relação com a música era cada vez mais forte, apesar de por esta altura já ter desistido do curso de som & imagem. O PP era quem me mostrava as grandes novidades, principalmente no que tocava aquilo que o Salomão gosta de chamar “música de elevador”.

As noites no restaurante do Mau Mau fechavam com o “Beija eu” da Marisa Monte, numa dança que todas as noites me dava a paz necessária para enfrentar o dia seguinte.
E um dia, o mesmo PP disse-me “A Marisa lançou um novo álbum. É estupidamente romântico, até mete nojo, mas é isso que o torna tão bonito”.

O álbum chamava-se “Memórias, Crônicas e Declarações de Amor” e o single, Amor I Love You.

Hoje o “estupidamente romântico” faz sentido. E esta música é tão bonita que mete nojo.

Brincadeira de hoje

Deu algum trabalho (o meu computador quase tinha um ataque), mas ficou engraçado… =)

O MFR É UM CROMO!!!!!!!

O MELGA É FIXE, E O RESTO QUE SE LIXE!!!